Injeção Eletrônica – Parte 2

Tempo de leitura: 3 minutos

A injeção eletrônica proporcionou melhor rendimento e mais economia de combustível, o motor dos automóveis evoluíram necessitando um sistema melhor do que o velho carburador principalmente no que se diz respeito a emissão de gases, melhores respostas nas acelerações e maior potência com a melhora da mistura estequiométrica em cada faixa de rotação.

Melhoras do sistema de injeção em relação ao carburador:

  • menor emissão de poluentes;
  • maior economia;
  • melhor rendimento do motor;
  • partidas mais rápidas;
  • dispensa utilização do afogador;
  • melhor aproveitamento do combustível.

Como funciona um sistema de injeção

Ao dar partida no veículo com a movimentação dos pistões o sensor de rotação envia um sinal elétrico para o módulo ou unidade de comando quando se tem a descida do pistão é produzido um vácuo da aspiração no coletor de admissão passando pelo medidor de fluxo de ar e pela borboleta de aceleração.

O medidor de fluxo por sua vez informa a unidade de comando o volume de ar admitido, a unidade de comando manda um sinal para as válvulas de injeção que injeta a quantidade exata de combustível para a mistura estequiométrica.

Sensores e atuadores

Os sensores são responsáveis por enviar informações para a unidade de comando e ficam localizados em diversos pontos do motor, dependendo do tipo de injeção enquanto os atuadores recebem as informações da unidade de comando e atuam no sistema de injeção, variando o volume de combustível que o motor recebe, corrige o ponto de ignição, marcha lenta por exemplo.

Os sistemas de injeção podem ser Multiponto e Monoponto.

Bico injetor

A injeção D-Jetronic da Bosch

Quando a Bosch compra os direitos da Bendix ela aperfeiçoa o sistema lançando o D-Jetronic (D de Druck – Pressão em alemão) em 1967 foi apresentado no modelo alemão VW 1600 LE/TLE.

Este sistema funcionava medindo o fluxo da massa de ar através de um sensor eletromecânico de pressão localizado no coletor (MAP), depois da Volkswagen a Mercedes-Benz, Citroën, Saab, Volvo, Isuzu e Porsche também utilizaram este sistema.

Sensor eletromecânico de pressão do sistema D-Jetronic

Este sistema continuou sendo usado até 1976, depois a Bosch desenvolveu outros sistemas L-Jetronic, LE Jetronic, K Jetronic, Ke Jetronic.

Sistema L-Jetronic

Sistema L-Jetronic da Bosch
Porsche 914 – Utilizava o sistema da Bosch L Jetronic
O sistema L-Jetronic utilizava um medidor de fluxo de vazão de ar no lugar do sensor de pressão utilizado no D-Jetronic (L de Luft – Ar em alemão).
Sistema K Jetronic
Este sistema a partir de 1974 começou a ser utilizado, (K – Kontinuierlich – Contínuo em alemão), utilizava a injeção mecânica direta com controle eletrônico.
Sistema K Jetronic da Bosch
Sistema KE Jetronic
O sistema KE Jetronic foi um aperfeiçoamento do sistema K Jetronic visando a diminuição dos gases da combustão e assim poluir menos para o mercado norte americano, a principal mudança foi a introdução de um módulo de controle eletrônico.
Sistema KE Jetronic da Bosch
O Audi 80 utilizava o sistema KE Jetronic da Bosch
O Mercedes-Benz 300E até 1990 também utilizava o sistema KE Jetronic da Bosch
Fim da parte 2 

 

Curta nossas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *